Setor turístico de Mato Grosso passa a ter nova linha de financiamento

O trade turístico de Mato Grosso tem uma nova linha de financiamento para investimentos em infraestrutura e equipamentos. O Ministério do Turismo apresentou, nesta sexta-feira (15.12), em Cuiabá, o novo modelo do Fungetur (Fundo Geral do Turismo). Em Mato Grosso, o Fungetur estará disponível através do Desenvolve MT.

O contrato entre o Ministério e o Desenvolve MT foi assinado hoje, em solenidade realizada no Palácio Paiaguás, com a presença de representantes do Governo do Estado, do trade turístico e de municípios com potencial turístico.

A partir da próxima semana, os empresários do setor já podem procurar a agência de fomento para apresentar os projetos para melhoria dos negócios. Ainda para o ano de 2017, estarão disponíveis R$ 5,1 milhões. Já em 2018, a previsão é que os recursos sejam entre R$ 50 milhões a R$ 60 milhões somente para Mato Grosso.

O novo Fungetur tem como foco, especialmente, os pequenos e médios empreendimentos. O prazo máximo de carência e de pagamento do financiamento é de cinco e 20 anos, respetivamente.

Em infraestrutura, o empresário poderá usar o financiamento para ampliação ou melhoria de seu estabelecimento, como hotéis, pousadas, bares e restaurantes. Já na aquisição máquinas e equipamentos, poderão ser adquiridos todos os tipos de utensílios, desde copos e talheres, até barcos.

A exigência do Ministério do Turismo é que o empreendimento seja cadastrado no CADASTUR, sistema de vadastro de pessoas físicas e jurídicas, que atuam no setor do turismo. O cadastro, que pode ser feito no site do Ministério do Turismo, permite que o Ministério e os Estados tenham acesso a diferentes dados sobre os Prestadores de Serviços Turísticos.

Autonomia

O coordenador geral de Apoio ao Crédito e ao Fungetur, Marcelo Moreira, explicou que o contrato com o Desenvolve MT permitirá que a Desenvolve MT, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec) e a Secretaria Adjunta de Turismo (Seadtur), tenha autonomia para definir os beneficiados e quais setores das áreas turísticas serão priorizadas.

“Os grandes bancos públicos têm regras muito engessadas para liberação dos recursos. O Desenvolve MT terá autonomia para definir prazos, juros, garantias. Além disso, a agência está mais próxima do empresário, tendo melhores condições de saber quem são aqueles que devem ser beneficiados”, explicou Marcelo Moreira.

Somente oito instituições bancárias em todo país, de sete estados brasileiros, formaram parceria com o Ministério para operação da linha de financiamento do Fungetur, entre elas a Desenvolve MT. No antigo modelo do Fungetur, o único banco a operar a linha de financiamento era a Caixa Econômica Federal.

O coordenador do Ministério do Turismo explicou, também, que os bancos e as agências terão que ser extremamente proativos na concessão dos créditos, já que os valores ficarão disponíveis por apenas quatro meses. Se os recursos não forem usados, voltam para o Ministério ou poderão ser repassados para outros estados. “A agência ou banco precisará ter um bom desempenho. Quanto mais projetos a agência financiar, mais recursos ela terá a disposição”.

O secretário de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso, Carlos Avalone, explicou que, neste primeiro momento, com os recursos para o ano de 2017 (R$ 5,1 milhões), a ideia é financiar projetos de até R$ 200 mil. “Para o grande empresário, R$ 200 mil é pouco, mas para o pequeno e médio, isso é muito. Vamos nos reunir com os empresários e ouvir as demandas. Os recursos já estarão disponíveis a partir da próxima semana e precisamos ser ágeis para analisar e aprovar os projetos que serão apresentados”, explicou Avalone.

O secretário adjunto de Turismo, Luis Carlos Nigro, lembrou que o Brasil já retomou seu crescimento econômico e que isto irá se refletir no fomento ao turismo, por isso os empresários precisam estar preparados para atender à demanda. “Temos que estar prontos, com bons equipamentos, infraestrutura adequada, para que o turista leve muito bem o nome de Mato Grosso para o mundo. O novo Fungetur vem para nos ajudar nisso, para que tenhamos um turismo forte, gerador de emprego e distribuidor de renda”.

Comentários